Sérgio Vicente Motta & Susanna Busato (Orgs.) – Figurações Contemporâneas Do Espaço Na Literatura

Posted on Leave a commentPosted in História, Letras, Literatura

Figurações contemporâneas do espaço na literatura abre-se a uma diversidade de acepções que o conceito de espaço abriga nos objetos e cenários literários contemporâneos. O próprio texto como um espaço espacializante, na sua textualidade como corpo ou na visualidade da escrita, configura um espaço de linguagem.

Manoel Mendonça Filho & Maria Teresa Nobre (Orgs.) – Política E Efetividade: Narrativas E Trajetórias De Pesquisa

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais

Conta a tradição universitária que em meio às trevas da Idade Média, grupos de jovens sedentos de conhecimento se reuniam para ler e conversar, apesar das dificuldades impostas pela política clerical de restrição de acesso aos textos e de toda a degeneração burocrática da máquina religiosa

Ferreira Gullar – Poema Sujo

Posted on Leave a commentPosted in Poesia

Desde que foi escrito, o Poema sujo teve sua importância reconhecida por alguns dos maiores poetas e críticos brasileiros. Ficou famosa a declaração do poeta Vinicius de Moraes, segundo a qual “Ferreira Gullar […] acaba de escrever um dos mais importantes poemas deste meio século, pelo menos nas línguas que eu conheço

Antonio Germano Magalhães Junior & Fátima Maria Leitão Araújo (Orgs.) – Ensino & Linguagens Da História

Posted on Leave a commentPosted in Educação, História, Linguística

Um livro, antes de atender às especificidades de um campo determinado, é literatura em sentido amplo. Deve propiciar uma leitura agradável, entendendo-se como tal um texto contendo narrativas dotadas de começo, meio e fim, tão leve quanto permitido pelo tema e a natureza da matéria apresentada.

Robinson Moreira Tenório & Marcos Antônio Vieira (Orgs.) – Avaliação E Sociedade: A Negociação Como Caminho

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais, Educação

Paulo Freire, na Pedagogia da Autonomia, reconhece que não há diferença entre ingenuidade e criticidade, mas uma superação. O fazer da experiência, que provoca a curiosidade ingênua que, continuando sendo curiosidade, se metodiza e criticiza, tornando-se uma curiosidade epis­temológica.