Darlene Figueiredo Borges Coelho & Bárbara Moreira Ghisi – Acidente De Trabalho Na Construção Civil Em Rondônia

Posted on Leave a commentPosted in Arquitetura, Ciências Sociais, Direito, Engenharia

Nos últimos dez anos, a indústria da Construção Civil no Brasil prosperou significativamente em consequência das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), lançado pelo Governo Federal. O PAC foi dividido em duas etapas, sendo a primeira lançada em 2007 e a segunda, denominada PAC 2, em 2011. As aplicações do PAC 2 estão divididas em três grandes eixos: Infraestrutura Social e Urbana, Infraestrutura Logística e Infraestrutura Energética.
Em Rondônia, dentro do âmbito de geração de energia, devido à construção de duas grandes usinas hidrelétricas (Santo Antônio e Jirau), ocorreu um rápido aumento da população na capital, Porto Velho, bem como nas regiões vizinhas, além do consequente desenvolvimento econômico local. As Usinas de Jirau e Santo Antônio encontram-se parcialmente em operação (PAC, 2016).
Atualmente, em Santo Antônio, 35 turbinas estão em operação comercial, gerando aproximadamente 2.498,55 MW de energia. Tem-se a previsão de que, em novembro de 2016, estará totalmente concluída, com 50 turbinas instaladas operando com potência total de 3.568 MW (Santo Antônio, 2016). A Usina de Jirau possui capacidade de geração de 3.750 MW, e a operação comercial das 50 unidades geradoras está prevista para o segundo semestre de 2016 (Energia Sustentável do Brasil, 2016).
Essas obras são consideradas elementos que contribuem para o desenvolvimento econômico do país, bem como para Porto Velho e todo o Estado de Rondônia, visto que, atraíram-se grandes empresas de alto poder econômico para a região, além de um grande contingente populacional.
O investimento de Rondônia no ramo da Construção Civil é recente, o que faz com que haja mais dificuldades perante a estruturação e a fiscalização da segurança no trabalho no setor. Com o aumento do número de obras, tanto residenciais como comerciais, a demanda de trabalhadores na área da construção civil aumentou consideravelmente e, em consequência disso, houve intensificação dos riscos e do número de vítimas em obras.
Este livro apresenta discussões sobre Engenharia de Segurança do Trabalho, com ênfase na situação dos acidentes de trabalho no setor da construção civil como consequência da implantação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no estado de Rondônia.
A obra reúne informações sobre a atuação do PAC em Rondônia, mencionando as principais frentes do programa e as consequências da sua implantação. Aborda ainda os acidentes de trabalho na construção civil, discutindo: o histórico da segurança do trabalho; a classificação dos acidentes; os procedimentos para o registro da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT); as Normas Regulamentadoras (NRs) aplicadas à construção civil; e as atividades do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e do Ministério da Previdência Social (MPS).

Luis Fernando Assunção – Jornalismo De Beiradas: A Transgressão No Processo Produtivo E Criativo Do Jornalista João Antônio

Posted on Leave a commentPosted in Comunicação

João Antônio foi escritor e jornalista de beiradas. Tanto seus personagens literários quanto seus personagens reais expostos nas reportagens que fez ao longo de sua curta carreira jornalística tinham perfis característicos: eram excluídos, sujos, feios, justamente aqueles que passavam longe das páginas de jornais e de revistas. (mais…)

Kathryn VanSpanckeren – Perfil Da Literatura Norte Americana

Posted on Leave a commentPosted in Literatura

A literatura americana se inicia com a transmissão oral dos mitos, lendas, histórias e letras (sempre canções) das culturas indígenas. Não havia literatura escrita nas mais de 500 diferentes línguas indígenas e culturas tribais da América do Norte antes da chegada dos primeiros europeus.
Como resultado, a literatura oral dos americanos nativos é bem diversificada. As narrativas de culturas caçadoras quase nômades, como os Navajo, diferem das histórias contadas por tribos agrícolas, como os Acoma, que viviam em pueblos (aldeias). Histórias dos habitantes dos lagos do Norte, como os Ojibwa, muitas vezes diferem radicalmente das contadas por tribos do deserto, como os Hopi.
As tribos mantinham sua própria religião — adoravam deuses, animais, plantas ou pessoas sagradas. Os sistemas de governo incluíam democracias, conselhos de anciãos e até teocracias.
Essas variações tribais aparecem também na literatura oral.
Mesmo assim, é possível fazer algumas generalizações. As histórias indígenas, por exemplo, brilham com reverências à natureza como mãe espiritual e física. A natureza está viva e dotada de forças espirituais; os principais personagens podem ser animais ou plantas ou frequentemente totens associados a tribos, a grupos ou indivíduos.
Na literatura americana mais recente, o que mais se aproxima do sentido sagrado indígena é a “Over-Soul” [Sobre-Alma] transcendental de Ralph Waldo Emerson, que permeia toda vida.
As tribos mexicanas reverenciavam o divino Quetzalcoatl, deus dos toltecas e astecas e, noutras regiões, contavam-se histórias de um deus ou cultura superior. Não há, porém, longos ciclos religiosos padronizados em torno de uma divindade suprema. Os equivalentes mais próximos das narrativas espirituais do Velho Mundo seriam relatos das iniciações e viagens dos xamãs. Fora isso, há histórias sobre heróis culturais, como o Manabozho, da tribo Ojibwa, ou o Coyote, da tribo Navajo. A esses trapaceiros são dados diferentes graus de respeito. Numa lenda, podem agir como heróis, enquanto que noutra, poderão parecer egoístas ou tolos. Embora autoridades do passado, como o suíço Carl Jung, tenham desaprovado histórias sobre trapaceiros, tachando-as de expressões do lado inferior e amoral da psique, outros estudiosos contemporâneos — alguns, índios americanos — ressaltam que Ulisses e Prometeu, heróis reverenciados pelos gregos, eram, em essência, trapaceiros também.

Gisela Gonçalves & Ângela Felippi (Orgs.) – Comunicação, Desenvolvimento E Sustentabilidade Vol. II

Posted on Leave a commentPosted in Comunicação, Ecologia, Economia

Apesar da diversidade de interesses e aproximações que norteiam a coleção Relações Públicas e comunicação organizacional – Dos fundamentos às práticas, os textos que compõem este volume têm algo em comum: a reflexão sobre a temática do desenvolvimento e da sustentabilidade. (mais…)

João Eduardo Chagas Sobral & Outros (Orgs.) – 1º Simpósio De Pesquisa Técnico-Científica Do Mestrado Profissional Em Design Da Univille: Relatos

Posted on Leave a commentPosted in Design

A publicação dos resultados da Primeira Edição do Simpósio de Pesquisa Técnico-Científica em Design da Univille tem por objetivo socializar conhecimentos gerados no Programa de Pós-Graduação em Design – PPGDesign, em conjunto com o setor produtivo e a comunidade em geral. (mais…)