Visconde Do Rio Branco – Textos Escolhidos

Posted on Posted in História

O primeiro passo para adentrar a vida de José Maria da Silva Paranhos, o Visconde do Rio Branco (1819-1880), é não o confundir com seu filho, José Maria da Silva Paranhos Júnior, o Barão do Rio Branco (1845-1912). A confusão não apenas é possível, como tem razão de ser: ambos os personagens tiverem trajetórias marcantes na História do Brasil. O primeiro, pai, teve papel de destaque em momentos fundamentais do Império Brasileiro. O segundo, filho, teve atuação destacada na diplomacia, especialmente na definição das fronteiras brasileiras no início da República, tornando-se patrono da diplomacia nacional e inspirando o nome do Instituto criado 100 anos após seu nascimento, o Instituto Rio Branco, espaço destinado à formação dos diplomatas brasileiros.
Resolver a confusão, portanto, é crucial para não subsumirmos o pai, o visconde, que teve importante atuação na política durante o período imperial brasileiro (1822-1889), no filho, o barão, personagem ímpar especialmente na história republicana.
Vamos ao pai. Nascido na Bahia, filho de portugueses, José Maria da Silva Paranhos foi ainda jovem para o Rio de Janeiro, onde fez seus estudos na Escola da Marinha e, posteriormente, diferentemente do caminho seguido por boa parte da elite política imperial, não cursou Direito, mas sim Engenharia pela Escola Militar.
Começou sua vida pública na década de 1840, uma década bastante conturbada na história brasileira. O Segundo Reinado havia acabado de começar com o Golpe da Maioridade que, em 1840, entronizara o jovem Pedro II no espaço que permanecia vago desde a abdicação de seu pai, Pedro I, em 1831. Esse período de tempo entre o fim do Primeiro Reinado e o início do governo de Pedro II, conhecido como Regência, foi de grandes transtornos para a elite política da capital do país, principalmente devido à série de revoltas que sacudiu o Brasil ao longo da década. Paranhos, que chegara ao Rio de Janeiro em 1836, vislumbrara todos esses acontecimentos como pano de fundo de seus anos de formação, contribuindo, assim, para a postura que manteve em relação à política imperial durante toda sua vida.

Deixe uma resposta