Mário De Andrade – 50 Poemas E Um Prefácio Interessantíssimo

Posted on Posted in Literatura, Poesia

Nesta coletânea apresentamos cinquenta poemas representativos de Mário de Andrade, um dos mais importantes e atuantes autores brasileiros do modernismo, precedidos do célebre Prefácio interessantíssimo, texto publicado em 1922, em Pauliceia desvairada, o primeiro livro de poemas do modernismo brasileiro.
A seleção dos textos seguiu alguns critérios que nos pareceram coerentes com nosso projeto, qual seja, o de dar a público uma mostra significativa da poesia desse autor, especialmente para leitores que estejam entrando em contato com ela pela primeira vez. Para tanto, selecionamos poemas bem conhecidos de quase todos os livros de poesia de Mário de Andrade, mantendo uma divisão por livro para que se saiba a qual deles determinado poema pertence originalmente. Importa ressaltar que todos os poemas que ora apresentamos foram fixados pelas estudiosas da obra andradiana, professoras Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo Figueiredo, e sairão em breve numa bela reedição das Poesias completas do autor, que contará com um alentado dossiê ilustrado, além de um texto crítico de apresentação.
Outro critério que nos norteou foi o da escolha preferencialmente de poemas mais curtos, que podem ser lidos com toda a calma de um final de tarde de domingo, mas também no ônibus, no metrô, no trem, no intervalo entre uma atividade e outra, em meio ao dia a dia agitado das grandes metrópoles. As únicas exceções a essa regra foram o Noturno de Belo Horizonte e o Carnaval carioca, que representam, nesta coletânea, o interesse do autor pela diversidade cultural de um país tão multifacetado como o nosso.
No fim do volume, acrescentamos quatro poemas inéditos em livro, que foram descobertos pelas referidas pesquisadoras, num trabalho de verdadeiro garimpo. Neles, reproduzimos as notas de rodapé, elaboradas por essas pesquisadoras, e que esclarecem a origem desses textos. O tom empregado aí nesses quatro poemas é o mesmo que o encontrado em toda a poesia do autor: simples, coloquial, bem-humorado, crítico, preocupado em registrar uma fala brasileira.

Deixe uma resposta