Muirakytan K. De Macêdo & Outros – História & Memória Da Câmara Municipal De Caicó

Posted on Posted in História

Nem sempre uma história é boa o suficiente para merecer ser contada.
Mas, uma boa história, sempre terá leitores (ou ouvintes) dispostos a passear por ela. A máxima, pregada entre os escribas da antiguidade e mais atual do que nunca, se encaixa à perfeição neste livro.
Sob a batuta do seu presidente, Nildson Medeiros; e do vice, José Rangel de Araújo; a Câmara Municipal de Caicó coordenou um prodigioso trabalho de pesquisa histórica que redundou em um documento de imensa valia não apenas para os caicoenses ou seridoenses, mas para todo o Rio Grande do Norte.
Os registros que permitiram contar a saga da casa legislativa caicoense se confundem, primeiro com a história da própria cidade e, por consequência – em virtude da indubitável importância de Caicó nos contextos econômico, político, social e cultural do nosso estado –, do próprio Rio Grande do Norte.
Desde o Arraial do Queiquó, nos idos de 1700, até a cidade de Caicó, já após decretada a República no Brasil, passando por nomes como Vila Nova do Príncipe ou Cidade do Príncipe, as muitas faces desta emblemática cidade são descortinadas e melhor compreendidas nestas páginas, ainda que a intenção seja, “apenas”, contextualizar o nascedouro e a evolução do local onde se fizeram e se fazem as Leis que regem o município de Caicó.
E digo “apenas”, grafado desta maneira (entre aspas) porque nada que diga respeito à historia caicoense merece tal classificação de pequenês.
Caicó é grande, sempre foi, já nasceu assim.
Nasceu com laços intrínsecos junto à monarquia, mesmo estando fisicamente tão distante dela. E continua assim. Uma cidade de povo acolhedor, religioso, trabalhador e, sobretudo, extremamente orgulhoso de suas raízes.
Também isso nos ensinam estas páginas: de onde surgiu tanto orgulho?
Sim, porque não há dúvidas de que o caicoense tem por sua terra um apego muito maior do que o de todos os demais potiguares e até mesmo brasileiros. Pelo menos, não pra mim. E nem restarão dúvidas neste sentido para ninguém que passear pelas páginas desta bela obra.

Deixe uma resposta