Basílio Da Gama – O Uraguai

José Basílio da Gama Vilas-Boas nasceu no sítio de Caxeu em Tiradentes, Minas Gerais, no ano de 1741. Aos doze anos, iniciou estudos no Colégio dos Jesuítas, no Rio de Janeiro, para ser noviço e professar na Companhia. Basílio não conseguiu terminar os estudos, pois a lei que expulsava os jesuítas o desligou da escola.
Em 1768, foi preso em Lisboa, suspeito de jesuitismo. Nessa época, assinou um termo comprometendo-se a partir, em seis meses, para Angola. Antes de o prazo encerrar, escreveu um poema dedicado à filha do Marquês de Pombal, que se mostrou sensível à obra. Dessa forma, com incentivos do marquês, Basílio da Gama concluiu O Uraguai, cujo assunto era a aniquilação e derrota do poder jesuítico nas Missões. Em consequência, continuou em Portugal e cancelou sua ida a Angola.
Em 1769, publicou O Uraguai. Há um duplo propósito nesta publicação: a ideia artística e literária da escrita de um poema épico; e a “bajulação” política. Afrânio Peixoto, em nota preliminar à edição comemorativa de 1941, feita pela Academia Brasileira de Letras, diz que a atitude política do poeta mineiro “se excede, injusto e talvez ingrato. Em qualquer caso, sem nobreza, insultando os vencidos, seus amigos outrora, para enaltecer o potentado, do qual dependia”.
O livro de Basílio da Gama trata de um fato histórico envolvendo Espanha, Brasil e Portugal; extração histórica bastante próxima ao autor, já que ele se envolveu diretamente com os jesuítas e com o governo português. Em 1750, Espanha e Portugal assinaram o Tratado de Madri, buscando resolver a divisão territorial das colônias na América do Sul, já que o antigo Tratado de Tordesilhas havia sido violado tanto por Portugal quanto pela Espanha. Entretanto, a região de Sete Povos das Missões, habitada por índios e dirigida por jesuítas, tinha em seus moradores uma resistência à ideia de se tornarem lusitanos.
A partir desse cenário, dá-se início à Guerra Guaranítica, violento conflito envolvendo os índios guaranis e as tropas espanholas e portuguesas no sul do Brasil.

Deixe uma resposta