Emma Goldman – Anarquismo: O Que Realmente Significa?

Posted on Posted in Ciências Sociais

A história do crescimento e desenvolvimento humano é ao mesmo tempo a luta terrível de novas idéias anunciando a chegada de um novo e brilhante amanhecer. Em sua obstinada persistência na tradição, o velho, com seus meios mais cruéis e repugnantes, pretende impedir o advento do Novo, qualquer que seja a forma e o período em que ele se manifeste. Tampouco necessitamos retraçar nossos passos até o passado, a fim de nos darmos conta da enorme oposição, dificuldades e adversidades postas no caminho de cada idéia progressista. A tortura, a tuerca e o chicote permanecem conosco; assim como o traje do convicto e a ira social, tudo conspirando contra o espírito que vai marchando serenamente.
O anarquismo não pode ter a esperança de escapar do destino de todas as demais idéias inovadoras. Evidentemente, como o inovador de espírito mais revolucionário, o Anarquismo necessariamente deve se deparar com a ignorância e a envenenada repulsa
do mundo que pretende construir.
Para refutar, ainda que de maneira sucinta, tudo o que está sendo dito e feito contra o anarquismo, seria necessário um livro inteiro. Portanto rebaterei somente duas das principais objeções. Ao assim fazer, tratarei de esclarecer o que verdadeiramente quer dizer Anarquismo.
O estranho fenômeno da oposição ao Anarquismo é o que trás à luz a relação entre a chamada inteligência e a ignorância. E isto não é tão estanho quando consideramos a relatividade de todas as coisas. A massa ignorante tem em seu favor a pretensão de não simular conhecimento ou tolerância. Atuando, como sempre faz, por puro impulso, suas razões são como as das crianças – “Por quê? Porque sim.” Ainda assim a oposição que o não educado faz ao Anarquismo merece a mesma consideração que a do homem inteligente.
Quais são, então, as objeções? Primeiro, o Anarquismo não é praticável, ainda que seja um ideal bonito. Segundo, o Anarquismo equivale a violência e destruição, por isso deve ser refutado, por ser vil e perigoso. Tanto o homem inteligente como a massa ignorante julgam, não a partir de um conhecimento profundo, mas de rumores e falsas interpretações.

Deixe uma resposta