Coletivo Insubmiss@s – Mulheres Anarquistas: O Resgate De Uma História Pouco Contada

Posted on Posted in Ciências Sociais

Entre 2002 e 2003, fruto da idealização, pesquisa e trabalho de Mabel Dias, companheira anarcopunk de João Pessoa (Paraíba), que, entre outras atividades, atua no Coletivo Insubmiss@s, e com contribuição e apoio de outr@s companheir@s de várias partes, foram editadas seis cartilhas. Com o título, Mulheres Anarquistas: O Resgate de uma História Pouco Contada estas publicações surgem da necessidade de trazer à tona uma história que, desde sempre, foi deixada de lado, quando não esquecida.
Os quatro primeiros números, que nos trazem a história de vida de mulheres de várias partes do mundo, que de diversas formas lutaram por uma sociedade livre e igualitária, serão aqui reeditadas, com algumas novas informações. Os últimos dois números, onde é feito um levantamento atual da atuação das mulheres no meio anarcopunk, anarquista e libertário, com relatos de diversas mulheres que ainda hoje se encontram entre nós, além do histórico de grupos anarcofeministas que surgiram a partir da década de 90, serão atualizados e farão parte de um próximo trabalho conjunto.
Voltando alguns anos, encontramos experiências anarquistas em âmbito mundial, que tiveram participação ativa tanto de homens quanto de mulheres, já a partir do século XVIII, em países como a Rússia, Itália, Espanha, França, Japão, Portugal, Brasil, Alemanha e México.
Poderíamos citar inúmeros exemplos, como o levante dos marinheiros em Kronstadt, o makhnovismo na Ucrânia, a construção de uma sociedade libertária durante a Guerra Civil Espanhola de 1936, com suas coletivizações, abolição do dinheiro, etc., as Escolas Modernas (entre elas a Escola Moderna nº.1 e nº.2, em São Paulo, a Universidade Popular, no Rio de Janeiro, e a Escola Elisee Réclus, em Porto Alegre), a Colônia Cecília (Paraná, 1890), a comunidade de Guararema (1888, interior de São Paulo), as greves gerais e movimentação operária de caráter anarcosindicalista que permearam a segunda
metade do século XIX e século XX…

Deixe uma resposta