João Perdigão & Euler Corradi – O Rei Da Roleta: A Incrível Vida De Joaquim Rolla

Posted on Posted in Biografia

A vida do mineiro Joaquim Rolla se confunde com a história do cinema, da política e principalmente da música brasileira. Ao adquirir o Cassino da Urca, ele o tornou internacionalmente conhecido, administrando-o com criatividade, perspicácia e muita paixão.
O Cassino da Urca tornou-se um point fundamental da sociedade brasileira nas décadas de 1930 e 1940, o lugar onde tudo acontecia. Foi lá que Carmen Miranda consagrou-se  a artista mais bem paga do país; que o ‘Parabéns a você’ ganhou sua versão nacional; que Orson Welles filmou parte do seu ‘It’s All True’; que o estúdio de cinema Atlântida rodou muitas de suas chanchadas; e foi em suas roletas que o físico Gamow inspirou-se para explicar um fenômeno das supernovas, chamando-o de Efeito Urca.
De caráter discreto, mas genial na divulgação de seus negócios, Joaquim Rolla deixou um legado que vai muito além da Urca. Este livro mostra seu pioneirismo em inúmeras  áreas, e o quanto sua vida tocou as esferas políticas do país. Ele criou a Agência Difusora de Anúncios, primeira agência de publicidade exclusiva de um negócio, onde empregou o jovem jornalista Carlos Lacerda. Construiu o Quitandinha em Petrópolis, o edifício JK em Belo Horizonte e o Pavilhão de São Cristóvão no Rio de Janeiro. Os dois últimos com apoio de Juscelino Kubitschek e projetos de Oscar Niemeyer e Sérgio Bernardes.
Com a proibição do jogo decretada em 1946 pelo Marechal Eurico Gaspar Dutra, seu império acabou por ruir. Mas sua contribuição imensurável para a cultura brasileira  não tem porque ficar esquecida. O rei da roleta vem preencher esta lacuna.
Euler Corradi conheceu o Quitandinha quando visitou  Petrópolis  ainda  adolescente.
Escutou a história do homem que construiu tudo aquilo e ficou maravilhado. Anos depois, ao procurar informações sobre Joaquim Rolla na internet encontrou uma foto, e por causa dela, conheceu o jornalista João Perdigão, um sobrinho-bisneto do empresário que também nutria fascínio sobre a vida de seu parente misterioso. Durante seis anos, os dois mineiros perderam a conta de quantas vezes viajaram ao Rio de Janeiro e a Petrópolis. Entrevistaram anônimos e famosos, reviraram arquivos e livros, reuniram um enorme volume de informações e puderam fornecer, através desta história, o panorama de uma vida épica.

Deixe uma resposta