Elizete Passos – Leda Jesuino

Posted on Posted in Biografia, Educação, Filosofia, Pedagogia

Não foi por estranhos que tive conhecimento. Soube com meus próprios olhos, ou, melhor, com meus próprios ouvidos, escutando de minha filha Maria Edith o comentário de que a diretora do curso que ela fazia, o Ceciba, era para os alunos mais do que uma regente do curso, porque se tornara uma segunda mãe a todos eles. Devido à maneira carinhosa de relacionar-se com as turmas, sempre afetuosa nos contatos, a professora Leda Jesuino transformara numa espécie de família a pequena comunidade que se abrigava no Colégio Central.
Com sua voz pausada e envolvente, na qual também se podia perceber um tom de autoridade e firmeza, ela costumava repreender o erro de comportamento pela ponderação e pelo conselho, jamais humilhando ou castigando. Por isso, o Ceciba (Centro de Ensino de Ciências da Bahia) era amado pelos estudantes, e já constituía uma referência no ensino em Salvador.
Minha filha era uma das alunas.
Conhecia de vista a professora Leda Ferraro (seu nome de solteira), desde os tempos em que a Faculdade de Filosofia ocupava o casarão da Avenida Joana Angélica, no qual antes estivera a Escola Normal. Ela fizera parte da primeira turma de alunos da Faculdade, que se graduou em 1945. Foi a única mulher do curso de Filosofia, e também a primeira, na Bahia, a formar-se naquele ramo de conhecimentos. Pouco tempo depois de concluir a Licenciatura em Filosofia, terminaria o Curso de Serviço Social, para alcançar o privilégio de ser, ainda, a primeira representante do seu sexo a preparar-se com aquele curso. Porém, vale muito mais habilitar-se pelo estudo e pela prática, em qualquer das áreas do preparo profissional, do que colecionar diplomas. Leda, a estudante, sempre levou a sério a oportunidade de adquirir uma boa formação. Sua turma deixou fama na Faculdade. Ela própria era apontada como exemplo de aluna.
Foi a aluna laureada.
Nunca é demais salientar a significação que a Faculdade de Filosofia, de Isaías Alves, teve para o melhoramento cultural da mulher baiana, e, igualmente, para sua realização pessoal e profissional. Ela, a faculdade, ele, o reformador, tornavam possível o prodígio de abrir à mulher o mercado de trabalho, mas, principalmente, o de enriquecer a elite pensante pela incorporação de vasto contingente de pessoas dotadas das qualidades que se entende como inerentes à mulher: facilidade de assimilação, aplicação no estudo, meticulosidade na execução de tarefas, probidade no manuseio de dinheiro, responsabilidade, pontualidade, sensibilidade, e tantas mais.

Deixe uma resposta