Juliana Simões Fonte – Rumores Da Escrita, Vestígios Do Passado

Posted on Posted in Gramática, Letras, Linguística

A proposta deste livro é oferecer ao leitor uma descrição fonológica das qualidades vocálicas vigentes na primeira fase (período trovadoresco) do português arcaico (doravante, PA), com base na análise das rimas e da grafia das Cantigas de Santa Maria (de agora em diante, CSM), de Afonso X, o Sábio, rei de Leão e Castela, elaboradas na segunda metade do século XIII.
Por meio da análise das rimas de textos poéticos, é possível obter pistas satisfatórias sobre a realização fônica das vogais portuguesas, em um momento passado da língua, do qual não se têm registros orais, já que não havia tecnologia disponível para a gravação da fala. Para Mattos e Silva, as cantigas medievais fornecem dados essenciais para o conhecimento da língua da época:
O fato de serem poemas de estrutura formal em versos rimados os torna fundamentais, no que concerne a estudos de história da língua, para o conhecimento de fatos fonéticos desse período, como sejam, por exemplo, questões referentes aos encontros entre vogais (hiatos/ditongos), ao timbre vocálico (abertura/fechamento), vogais e ditongos nasais/orais.
A relevância da presente obra consiste no fato de não haver, ainda, um estudo detalhado e específico sobre as vogais do PA que tome como base as CSM. Há diversos trabalhos que fazem referência às vogais do período arcaico, mas a maioria deles é de natureza diacrônica, cujo objetivo principal é descrever a história das vogais portuguesas, de um modo geral, não se detendo muito em um momento particular da língua. Dessa forma, pode-se dizer que há muitos estudos sobre a história das vogais portuguesas, mas poucos trabalhos específicos sobre a ocorrência dessas vogais no período arcaico, que visem a uma descrição sincrônica de um momento passado da língua.
As gramáticas históricas do português, por exemplo, como o próprio nome indica, descrevem a história das vogais portuguesas, demonstrando as transformações por que passaram essas vogais ao longo da história da língua: desde o latim clássico até o momento atual do português. As alusões ao PA, quando aparecem nesses estudos, são bastante gerais e concisas, já que o objetivo deles não é apresentar uma descrição sincrônica de sucessivas épocas do português. Enquadram-se, nesses estudos, os tradicionais trabalhos de Williams, Nunes, Silva Neto, Coutinho, Bueno, entre outros.

Deixe uma resposta