A colaboração acadêmica multidisciplinar entre professores estudiosos de cultura do Brasil e de Portugal é cerne deste livro.
Ele nasce como uma das modalidades de expressar esta colaboração, que vem se realizando através da troca de idéias, debate de textos, compartilhamento de pesquisas e informações, participação em eventos realizados, visitas acadêmicas etc.
Destes encontros surgiu a idéia de elaborar conjuntamente um livro sobre o tema da cultura que reunisse estudiosos brasileiros
e portugueses, oriundos de variados campos disciplinares, e que expressasse o nosso trabalho nos estudos da cultura.
Depois de esboçado o projeto, ficou definido que os cinco textos brasileiros seriam selecionados por Antonio Albino Canelas Rubim e cinco portugueses seriam definidos por Natália Ramos. Ficou decidido igualmente que teríamos duas apresentações dos textos realizadas pelos coordenadores do projeto.
Apresento, por conseguinte, os textos dos autores brasileiros.
O texto de Eneida Leal Cunha, Jéferson Bacelar e Lizir Alves trata Bahia, sua colonização e culturas. O artigo busca constituir uma genealogia das imagens e discursos que singularizam a cidade de Salvador, Bahia, como centro cultural e identitário, pondo o foco em momentos relevantes para a história cultural da região e significativos para a constituição do seu imaginário social. Com este intento privilegiam-se textos coloniais dos séculos XVII e XVIII, a construção da nacionalidade no século XIX, os discursos e estratégias da modernização na primeira metade do século XX e, a partir das décadas finais deste mesmo século, a emergência de potentes demandas do segmento negro-mestiço majoritário, como contraposição à discriminação e ao racismo, historicamente sedimentados pelo escravismo. O trabalho de Maria Cândida Ferreira de Almeida — intitulado Poiéticas antropofágicas: reflexões sobre uma perspectiva Brasileira para a Crítica de Arte — retoma a antropofagia, um tema mais que alegórico da cultura brasileira e latino-americana, considerando como ele poderia contribuir efetivamente para o campo da crítica cultural, avalia como está se constituindo uma “poética antropofágica” no conhecimento em artes visuais através de uma análise das produções teóricas e críticas contemporâneas, além de discutir como a antropofagia se processa enquanto uma poiética das artes visuais.

Deixe uma resposta