Ricardo Luis Reiter – Investigação Acerca Da Possibilidade De Uma Estética Em Karl Marx

Posted on Posted in Artes, Filosofia

Todo trabalho que tem como assunto algum ponto específico do projeto filosófico apresentado por Karl Marx se depara com o mesmo problema: onde começar? Sendo assim, este trabalho não poderia ser diferente. Desde o momento em que foi definido que a monografia se debruçaria sobre a investigação acerca da possibilidade de estética em Marx e como ela se apresenta, surgiu a mesma dúvida fundamental: por onde começar?
Marx não escreveu um tratado sobre estética. Todo o projeto filosófico de Marx, porém, apresenta aspectos relevantes ao seu pensamento estético. Isso fez com que suas principais obras estivessem recheadas de passagens sobre o seu pensamento estético. Desde seus Manuscritos Econômico-Filosóficos até sua obra mais madura, O Capital, encontram-se proposições, ideias e aspectos que fundamentam claramente que existe, em Marx, uma concepção própria de estética. A recente publicação dos Grundrisse vem acrescentar ainda mais material literário à grande bagagem deixada por Marx.
Marx, ao iniciar seus estudos nos Manuscritos Econômico-Filosóficos, não buscava nada relacionado à estética. Ao contrário, seu projeto era encontrar a humanidade do homem. Humanidade essa que se teria perdido no momento em que o homem foi forçado a se alienar pela sua sobrevivência. Conforme Vázquez, Era o homem, ou, mais exatamente, o homem social, concreto, que – nas condições econômicas e históricas próprias da sociedade capitalista – se desfaz, se mutila ou nega a si próprio. Essa mutilação do homem, ou perda do humano, se dá precisamente no trabalho, na produção material, isto é, na esfera na qual o homem deveria se afirmar como tal e que tornou possível à própria criação estética. E, buscando o humano, o humano perdido, Marx encontra o estético como um reduto da verdadeira existência humana; não apenas como um seu reduto, mas como esfera essencial.
Assim, era o homem o objeto específico da arte, apesar de nem sempre ser o objeto a ser representado. A arte devolvia ao homem algo de essencial que ele perdeu. A estética passaria a ser o último reduto do humano ao qual o homem tem acesso. Assim, a arte seria uma forma de conhecimento; não de conhecimento científico, mas sim de um conhecimento humano sobre objetos humanizados.

Deixe uma resposta