Um título um pouco melhor seria “Sociedade, estado e liberdade: a estratégia austro-libertária de revolução social.” Assim sendo, pretendo intensificar um pouco as coisas após todas estas palestras moderadas que vocês ouviram até agora.
Permita-me começar com algumas palavras sobre a sociedade. Por que existe a sociedade? Por que as pessoas cooperam? Por que existe cooperação pacífica ao invés de guerra permanente entre os seres humanos?
Os austríacos, em particular os misesianos, enfatizam o fato de que não precisamos admitir a existência de coisas como empatia ou amor entre as pessoas para explicar isto. Interesse próprio – ou seja, preferir mais ao invés de menos – é totalmente suficiente para explicar este fenômeno de cooperação.
Os homens cooperam porque são capazes de reconhecer que a produção sob a divisão do trabalho é mais produtiva do que no isolamento autossuficiente. Apenas imagine se não mais tivéssemos a divisão do trabalho, e você imediatamente consegue perceber que nos tornaríamos extremamente pobres e a maior parte da humanidade iria imediatamente se extinguir.
Por enquanto, repare apenas na importância de um ponto, e eu o retomarei depois. O que essa explanação implica e o que ela não implica: Não implica logicamente que sempre e sem nenhuma exceção ou perturbações, haverá apenas paz entre os homens.
Sempre há ladrões e assassinos por aí, e todas as sociedades terão que lidar de alguma forma com estes tipos. Porém, o que ela implica, de fato, é que a descrição hobbesiana do surgimento da cooperação pacífica é fundamentalmente mal concebida.
Thomas Hobbes assumiu que as pessoas estariam se esgoelando permanentemente se não fosse por uma terceira parte independente – e esta é o estado, claro – para trazer paz entre elas. Neste ponto, percebe-se imediatamente que tipo curioso de construção é esta.
Assume-se que as pessoas são lobos maus, e que podem ser transformadas em ovelhas caso um terceiro lobo se torne o soberano. Se esta terceira parte é também um lobo, como obviamente ela deve ser, então mesmo se ela trouxer paz entre dois indivíduos, isto obviamente implica que haveria uma guerra permanente entre o lobo governante e os dois lobos que agora estão cooperando pacificamente entre si.

  

Deixe uma resposta